Quem Somos

A CGA Brasil foi criada em 1996 para atender a demanda de serviços especializados em gerenciamento ambiental e de segurança de trabalho, principalmente por indústrias.

A experiência acumulada em mais de 20 anos de trabalho no gerenciamento de projetos de readequação industrial e recuperação ambiental, no mais importante complexo de indústrias siderúrgicas; petroquímico e químico do país, implantado a partir da segunda grande guerra, sem o norteamento legal e a consciência ambiental dos dias de hoje, passou a ser disponível em serviços de consultoria, viabilizando o licenciamento e a regularização operacional de grande número de instalações.

Desta fase de transformação de Cubatão do “vale da morte” à “cidade símbolo da ecologia”, amadureceu sólida experiência para o equacionamento e solução de questões ambientais, destacando-se o desenvolvimento do Plano de Controle da Poluição, implantado pela CETESB a partir de 1983, quando foram identificadas e autuadas 320 fontes a serem controladas, envolvendo árdua busca de tecnologia e investimento para a viabilidade da adequação de cada uma delas. Acidentes de grandes proporçõs foram apregoados a partir do incêndio de Vila Socó e a ameaça da “queda da serra do mar”, exigiram dos empresários e autoridades estaduais a criação de programas e plano, como por exemplo o Programa de Recuperação da Serra do Mar; Plano de Auxílio Mútuo – PAM de Cubatão, Atuação Responsável e o APELL.

No início dos anos 90 o Polo Industrial de Cubatão passa a enfrentar um novo desafio, a gestão dos recursos hídricos, revelado pela drástica redução do regime operacional da Usina Hidroelétrica Henry Borden, responsável até então, pela transposição de um grande caudal de água do rio Pinheiros ao rio Cubatão, através da represa Billings, vítima da poluição destas águas, acumulando experiência através do Comitê da Bacia Hidrográfica e assistências aos usuários, na gestão, outorgas, estudos hidrológicos, conflitos e cobrança pelo uso da água.

Mais recentemente, a atuação na definição de políticas públicas para estabelecer os planos de Gerenciamento Costeiro e o Zoneamento Ecológico Econômico, consolida a capacitação para o enfrentamento de questionamentos ambientais e locacionais.

Toda esta vivência acompanhando a evolução das políticas e estruturas de desenvolvimento e controle ambiental, permitiu estabelecer uma extensa rede de colaboradores e conhecimentos, habilitando-nos a avaliar com profundidade as questões relacionadas a conformidade legal e operacional, em toda profundidade exigida pela responsabilidade ética, social e pública, na gestão dos riscos ambientais, operacionais e sociais.